A alergia a proteína do leite de vaca (APLV) é mais prevalente nos três primeiros anos de vida. Em países desenvolvidos, a alergia a proteína do leite de vaca (APLV) afeta entre 2% e 7,5% das crianças, especialmente nos primeiros meses de vida.
Os principais sintomas são: cutâneos como placas vermelhas na pele, coceira e descamação; gástricos e intestinais como diarréia, sangue nas fezes, intestino preso, vômito, regurgitação e cólicas intensas; respiratórios como respiração difícil e chiado.
O diagnostico da APLV deve ser realizado de forma criteriosa, já que seu tratamento se baseia na exclusão completa de leite de vaca e derivados da dieta.
A eliminação do leite de vaca sem substituição adequada pode prejudicar o crescimento normal e a qualidade nutricional da alimentação, com possibilidade de repercussões clinicas, razão pela qual se ressalta a importância da avaliação continuada, não só da ingestão alimentar mas também do estado nutricional das crianças, durante todo o período de dieta de exclusão
A terapêutica de exclusão da proteína do leite de vaca requer atenção quanto a introdução de uma dieta de substituição adequada, que atenda as necessidades nutricionais das crianças e assim permita seu crescimento e desenvolvimento norma. Uma dieta de exclusão inadequada pode ocasionar alterações nutricionais, como déficit de crescimento e desnutrição energético-protéica.

PEDIATRIA (SAO PAULO) 2008;30(2):100-106